Wednesday, April 02, 2014

como melhorar a sua auto-estima em pět minut


(yes, strrrange languages, oh si!)

Hoje acordei e sentia-me sexy. Intrigada com a origem de tal sentimento, que terá sido avistado da última vez nos tempos dos Descobrimentos, investiguei o conteúdo dos meus sonhos. Rapidamente identifiquei o motivo - sonhei que tinha o trabalho de uma colega minha, que recebe os estudantes Erasmus, trabalho no qual eu era muito competente porque já tinha sido acolhida em muitas universidades estrangeiras e conhecia bem Lisboa. Nesse dia tinham-me calhado dois checos, a quem eu impressionei com a frase em checo mais comprida que sei: Ukon'cete prosím výstup a nástup, dve're se zavírají. E eles, jovens criaturas inocentes, ficaram realmente impressionados.
O sonho continuou e de repente eu já estava a mostrar a alguém, talvez à minha irmã, a marginal de Praga, que era a marginal de Cascais mas melhorada com prédios Arte-Nova, mas o momento chave tinha sido aquele, claramente.
Por isso, se hoje vos der jeito sentirem-se fabulosas, desejáveis e poderosas, repeat after me: Ukon'cete prosím výstup a nástup, dve're se zavírají.


(diz-se como se lê, mais coisa menos coisa)

Wednesday, March 26, 2014

nobody expects the spanish inquisition


Hoje o primeiro e-mail que li de manhã era uma mensagem da Gwyneth Paltrow a contar-me que se ia separar, ou descasalar, do Chris Martin. Já tive amigas de cujas separações demorei mais a saber.

(mas era uma mensagem simpática e "real", novilíngua à parte, e lembrou-me uma regra das relações públicas em que acredito muito, profissional e pessoalmente: good or bad, own your story)(isto em resposta à a.i.)

Friday, March 21, 2014

the night of the living cliché


Ontem, num invento, vi passar uma rapariga loira com um prato de comida. Tinha umas quatro ou cinco folhas de alface grandes e igual dose de fusilli, ou seja, três ou quatro massinhas, sem molho, tempero ou acompanhamento. Espero que ela não tenha comido aquilo tudo. 

Tuesday, March 18, 2014

a lei de rita também é uma certa teimosia

(post que não se nota muito mas é uma recomendação)

Ao longo das últimas semanas tive uma constipação séria, daquelas de ficar em casa a antibióticos. No decorrer da mesma, de cabeça ainda nublada, escorreguei num degrau molhado e caí com força em cima do cóccix. No decorrer da recuperação do dito cujo, mais ou menos duas semanas, já estava quase bom, voltei a cair em cima dele, desta vez mais devagarinho, torcendo o pé.

E no entanto, ando para aqui, salvo os momentos de dor mais agudos, radiante e cheia de sol. Porque estou muito apaixonada, porque já comi conchinhas (e aliens!), porque realmente está sol e, muito especialmente, por causa deste livro, que recomendo vivamente.

the indian word for yes


O meu amigo indiano casou há cerca de um ano, com a (segunda) noiva que os pais escolheram. Olho para as fotos deles juntos e parecem-me felizes, ele fiel a si mesmo, ela que não conheço ainda com um brilho incrível no olhar. Antes de se casarem, mal se conheciam, hoje são felizes, ou parecem - conheci vários casais assim, na sua maioria da Índia ou do Paquistão. E não houve uma única vez em que não tenha ficado a pensar - por exemplo se os meus pais fariam melhores escolhas que eu, se as escolhas dos pais indianos, tipicamente pessoas de nível social, económico e cultural semelhantes aos dos seus filhos, seriam maiores garantes de sucesso do que escolhas menos racionais, ou se, estando nós sempre predispostos a gostar de quem conhecemos muito bem, a soma disso a um compromisso tão definitivo leve ao amor. Nunca obtenho respostas, ou pelo menos não respostas definitivas, mas penso muitas vezes nesta última parte: no poder transformador de um sim mesmo verdadeiro e sentido. 

Friday, March 14, 2014

a sibila mais doce

(dois pesos, duas medidas)(e é se não forem mais)

Vamos fazer um supônhamos, que é uma coisa muito em voga: uma jovem escritora do nosso país era convidada a ir a um encontro de escritores num país europeu. Na comitiva podia ir também um homem, mas ela recusava incluí-lo. Durante a viagem, comentava com as outras convidadas, todas mulheres, o motivo da recusa: parece que ia acima de tudo comprar sapatos e malas e queria companhia. Noutra viagem teria, conta-se, comentado uma discussão sobre política internacional com grande enfado, porque só tinha ido àquele país para comprar objectos de decoração.

Imaginem por uns momentos a caixa de comentários em que se contasse isso. Ou, ainda pior, se fosse uma blogger e não uma escritora.

Agora leiam a caixa de comentários deste post

digital natives II


Professor: Os jornalistas da Lusa agora têm de andar com um gravador, com uma máquina fotográfica e alguns até com uma câmara de vídeo. 
Aluna perfeitamente anónima e não identificada: Têm de lhes dar um telefone melhor.

Wednesday, March 12, 2014

uma pessoa também não tem de se indignar com tudo tudo tudo


Sou só eu que não encontro nada de bizarro no facto de Cavaco não querer ter conselheiros que defendem publicamente uma posição contrária à sua e à do Governo que ele apoia?

venceremos!

(pode é ser de uma forma ligeiramente diferente do esperado)

Os bispos alemães reuniram-se e escolheram hoje o seu novo líder, o Cardeal Marx.

Friday, March 07, 2014

a portuguesinha


Ontem fui à farmácia comprar água do mar (passe o absurdo). A conta deu 10,80€ (passe o absurdo). Eu olhei para o meu porta-moedas e vi que tinha imensas moedas pequenas que, juntas, fariam oitenta cêntimos. Juntei-as com afinco, as últimas já eram mesmo pequenas. Então, olhando para aquela pelintrice na minha mão, optei por pagar o resto com uma nota de vinte em vez da nota de dez que também tinha na carteira, não fosse o senhor achar que eu estava a reunir cêntimos pretos em virtude da minha pobreza.

Regressei ao país há apenas dois anos e um mês, mas isto uma pessoa (re)acultura-se rápido. 

Wednesday, March 05, 2014

depois dos trinta ainda podemos mudar de opinião em questões fundamentais


Sempre tinha achado que o debate clássico "orgasmos múltiplos vs. urinar em pé" era um no-brainer, mas isso era antes de cair com todo o meu peso em cima do desgraçado do meu cóccix.

Wednesday, February 26, 2014

então as melhoras


Em Alfama os velhotes despedem-se uns dos outros desejando-se mutuamente as melhoras. Julgo que já o fazem de forma automática, mas realmente o risco é quase nulo. 

Tuesday, February 25, 2014

vocational training


Para a poupança,  como em tudo na vida, é preciso talento e vocação. Por exemplo, se vocês tivessem feito arroz basmati a mais, aposto que não vos ocorreria gastar mais de quinze euros em ingredientes de caril só para o poder utilizar como acompanhamento  Ainda o deitavam fora. Perdulários, é o que são todos.

sempre marcante


A primeira vez que se sai do trabalho de dia.

Monday, February 24, 2014

Fado do Emigrante


No exílio (a situação em que eu me encontro um bocadinho) uma pessoa às vezes quase se esquece do quanto gosta dos seus amigos que ficaram. E depois a redescoberta é triplamente mais doce: uma parte pela quase surpresa,  outra por a surpresa ser só quase e outra por detalhes indefinidos relacionados com a lei de Rita.

Monday, February 17, 2014

intervenção estética



Os leitores mais antigos deste blogue conhecerão o meu amor pelo sabão azul e branco, mas nunca me teria ocorrido cortá-lo com formas de bolachas - o copyright da ideia, que acho genial, é todo da Teresa, que, claro, os corta em forma de cabeça de gato.

(eu desta vez escolhi um coração e uma pêra, mas para a próxima já tenho alinhavado um ursinho e um cavalo de baloiço)

Monday, February 10, 2014

penis envy



O que estão a ver na imagem é um cabaz do Dia dos Namorados da Delidelux para senhoras românticas comprarem aos seus rapazes. Tem lombo de porco preto, chocolate negro com piri-piri, vinho tinto, sardinhas em escabeche e em azeite, queijo de Azeitão, tagliolini de ovo com açafrão, molho de tomate com mangericão e crackers com cogumelos porcini. Custa 44,55€.


Já esta segunda imagem é um presente para um garboso cavalheiro oferecer à sua jovem donzela. Inclui comida de gaja, chá de gaja, sumo de gaja, mel e umas bolachinhas. Custa 33,55€.

 Eu, claramente, para que não fiquem dúvidas, sou um homem (um homem que não celebra o Dia dos Namorados, mas um homem). E ou me engano muito ou vou descobrir contra todas as minhas expectativas que a grande maioria dos leitores deste blogue também.

pechincha


Após ter feito um breve exercício mental sobre o que diria caso me ocorresse ligar para o Gabinete do Primeiro Ministro, cheguei à conclusão de que vinte e cinco mil euros era o mínimo que eu pediria para atender regularmente esse telefone.

Saturday, February 08, 2014

convento de rita maria das dores


Como vim aqui outro dia confessar que tinha entregue um trabalho muito fraquinho, venho aqui repor a honra do convento e garantir que entreguei há bocadinho um muito razoavelzinho. Se não tivesse de acabar outro ainda  hoje tirava já um bocadinho para me sentir orgulhosa de mim mesma, mas sendo assim vou só beber um café, dançar um bocadinho e continuar, que diz que para a frente é que é o caminho mas um caminho metafórico, que não há mundo para lá desta cadeira à frente do computador (e do Tejo).

Friday, February 07, 2014

the vagina monologues


Com a entrada nos trinta, muitas mulheres que ainda não têm filhos começam a preocupar-se com a sua fertilidade. Uma das estratégias frequentes para se precaverem contra o passar dos anos é congelar os próprios óvulos, mas esses tratamentos tendem a ser caros. Porém, se também têm mais de trinta anos, também fazem parte do grupo restrito de membros da comunidade blogosférica que não teve filhos em 2013 e também não têm dinheiro para tratamentos dispendiosos, não desanimem. Eu encontrei a solução.

Vistam uma saia travada (pode ser branca, mas isso fica ao cuidado de cada uma) e um casaco comprido. Subam de seguida para um veículo motorizado de duas rodas - como perceberão, para subir para a mota terão de enrolar a saia toda até quase à cintura (aqui se a tinham engomado são capazes de ficar um bocado tristes). De seguida, vão de mota para o trabalho, conduzindo-a ou no lugar do pendura (aqui até convém ir atrás de um homem jeitoso, que diz que as hormonas potenciam estes tratamentos).

E pronto, era isto. O resto agora depende do trajecto, mas a partir de meia hora o congelamento é garantido.  E grátis. 

Thursday, February 06, 2014

era só para mostrar quem manda aqui e explicar que isto não é o da joana


A ver se nos entendemos: o dinossauro é fixe. Vocês têm é inveja porque não sabem por dinossauros no vosso blogue, nem dinossauros bebés a sair do ovo, nem dinossauros amarelos, nem nada, dinossauros nenhuns. E por isso depois andam para aí a dizer mal de mim pelas esquinas. 

Wednesday, February 05, 2014

old school


Quando comecei a escrever um blogue ele era principalmente sobre a minha vida. Não era um repositório de textos de opinião, a maioria dos blogues não eram. Não era profissional, não era uma marca, não era escrito por uma personagem num estilo definido, a maior parte dos blogues não eram. Mas tinham uma outra coisa, muito mais importante: pessoas dentro. 

Hoje já há poucos blogues assim, pelo menos entre os que leio, mas existem: por estes dias, emocionei-me com a coragem de partir e a coragem maior ainda de voltar no Eu, Ele, a Maria e o Miguel, fiquei feliz com a promoção da Sofia e celebrei também com gratidão os dez anos do Borboletas na Barriga, também ela a celebrar conquistas provavelmente muito merecidas.

Sinto que não escrevo hoje com a mesma facilidade sobre a minha vida - conto menos das crianças porque são cada vez mais crescidas, não conto nada da minha vida profissional para me proteger, não falo da minha vida amorosa porque ela envolve outra pessoa que vive na mesma língua que eu e que tem direito à sua vida privada, partilho no geral menos. Mas tenho pena, tenho pena de já não me apetecer escrever como nesse tempo, de já não me apetecer escrever tanto e acima de tudo de não me apetecer escrever dessa maneira, tão mais desprendida, genuína e generosa. E tenho saudades, da partilha e da companhia. 

Talvez por isso mesmo encha a alma com os blogues que ainda o fazem. São o meu pedaço favorito da blogosfera, os mais obrigatórios dos obrigatórios - blogues bem escritos com pessoas dentro. E são por isso a minha recomendação do dia, para quem também sentir a falta dos bons velhos tempos.

Sunday, February 02, 2014

o post que nunca tinha previsto escrever

(e que vocês também não deviam estar à espera de ler)



Acho o casaco da primeira foto perfeito e comprava também sem grandes hesitações o vestido da segunda e o casaco da terceira. Na segunda fila acho o vestido lindíssimo, perfeitamente adequado à sua idade e figura e muito mais elegante que o barulho que tem vestido a senhora do lado. Na fotografia seguinte, parece que uma veraneante chique mandou vir a sua secretária para lhe ditar algumas notas. E na última o casaco, embora a foto seja terrível e se veja mal, também é muito giro. Acho que não era este o objectivo da página Cavaca a Presidenta (donde vieram as fotos, que naturalmente aumentam), mas eu dei por mim a desejar que a página se chamasse antes "A Presidenta mais Doce" e que viesse com legendas à fashionista.

The Act of Killing



Em 1965 e 1966, 500.000 pessoas, na sua grande maioria acusadas de pertencer ao Partido Comunista da Indonésia, são mortas para purgar o país do espectro do comunismo e dar início a uma nova era que ficaria conhecida como a "Nova Ordem". Neste documentário, Joshua Oppenheimer convida os perpetradores directos desta purga a fazer um filme para contar a história desse período. 

O resultado é impressionante pela extensão, arbitrariedade e violência do massacre, claro, mas também por tratar da história no seu estado bruto, crua, em parte a decorrer, por etiquetar, ainda não arquivada em caixotes e pronta para consumo geral e, acima de tudo, porque são os carrascos a tomar conta da narrativa, a escolher como contar e mostrar o que fizeram, assumindo-se como sujeitos e tornando impossível uma demonização que escolhesse a rota cobarde da "desumanidade". 

É um filme terrível e um filme obrigatório.

Tuesday, January 28, 2014

#yawn




Os fiume originais estão cáda vez mais parecidos uns com os outros, viu cara? Tudo iguauzinho. Com o di hoji, já vi treis fiume complétamente irrêlevante. Se o di amanhã não fosse um documentário, jogava o meu bilhtchi na sargeta. 

(*escrevi em brasileiro para o caso de virem cá os programadores da KINO 2014, não vão eles ter dificuldades de compreensão e precisar de legendas)

 
Yellow Dinosaur